Especialização em Indústrias Criativas

Área do conhecimento: Comunicação
Período de realização: Abril/2019 a Setembro/2020

Local das Aulas: Polo Universitário Santo Inácio
Cidade: Fortaleza – Ceará

Investimento: 20 parcelas de R$ 350,00

Funcionamento: Cada disciplina é ministrada uma vez ao mês, em um encontro presencial, programado para o segundo ou terceiro fim de semana do respectivo mês, a depender dos feriados. Os encontros ocorrerão às quintas-feiras, de 18h às 22h30, sextas-feiras, também de 18h às 22h30 e nos sábados subsequentes, de 07h30 às 12h e das 13h às 18h30. As horas restantes que completam a carga horária da disciplina (5hs) serão ministradas de forma virtual, através do AVA – ambiente de EAD da UNICATÓLICA.

JUSTIFICATIVA

Os produtos e processos das indústrias criativas são onipresentes. Estão na música ou no filme em streaming, no portal de notícias ou no aplicativo de trânsito, na vida privada das mídias sociais ou no big data das políticas públicas. Não há como compreender o mundo contemporâneo sem levá-los em conta.

A expressão indústrias criativas surgiu nos anos 1990 na Austrália e na Inglaterra em referência a setores produtivos nos quais a criatividade é o principal valor agregado. Isso inclui teatro, audiovisual, games, jornalismo, fotografia, publicidade, design, softwares, música, indústria editorial, rádio e TV. No fim dos anos 2000, o setor representou 2,6% do PIB da União Europeia, o equivalente a 654 milhões de euros. Nos EUA, seus produtos superam, desde 1996, as taxas de exportação dos ramos automobilístico, agrícola, aeroespacial e de defesa.

A pesquisa Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil (Firjan) aponta que as indústrias criativas cresceram 90% entre 2004 e 2013. Entre 2013 e 2015, apesar da conjuntura, o chamado PIB Criativo cresceu e chegou a 2,64% – ou R$ 155,6 bilhões, montante equivalente ao valor de mercado das marcas Facebook, Zara e L’Oreal juntos. Seus profissionais recebem, em média, R$ 6.270, quase três vezes mais do que a média da remuneração nacional.

“Indústrias criativas” é uma expressão própria, portanto, de um mundo dominado por imagens, sons, textos e símbolos. O estado do Ceará se destaca Região Nordeste na área, segundo o Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil, realizado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Esta Especialização é fruto de uma trajetória de tradição e pioneirismo da Universidade Católica de Pernambuco. Sua raiz está no Bacharelado em Jornalismo, cujos frutos deram origem a outros cursos de graduação, a um produtivo grupo de pesquisa e, finalmente, ao inovador Mestrado Profissional em Indústrias Criativas. Deste stricto senso, resultou a presente proposta lato senso.

OBJETIVOS

Objetivo geral:

Preparar profissionais para refletir sobre seu campo de atuação, visualizar novas oportunidades de negócios e encontrar soluções para problemas de mercado do setor produtivo das indústrias criativas.

Objetivos específicos:

Aprofundar o conhecimento teórico em torno da gênese e da evolução das indústrias criativas no mundo e no Brasil;

Integrar diferentes ramos do conhecimento em torno de aspectos voltados à produção e difusão de bens cujo maior valor é a criatividade a eles agregada;

Oferecer ferramentas teóricas e práticas aplicáveis ao mercado em que cultura, mídia e tecnologia são pilares fundamentais;

Carga horária:  360h

Número de vagas: 40

Público alvo: Graduandos e graduados de todas as áreas, especialmente profissionais de Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Marketing, Administração, Fotografia, Design, Games, Artes, Letras, bem como da área de tecnologia da informação.

  • Módulo I - Práticas em Indústrias Criativas (120h)

  • Módulo II - Gestão em Indústrias Criativas (120h)

  • Módulo III - Cibercultura nas Indústrias Criativas (120h)

  • Módulo - TCC